Quarto  compartilhado com bebê

 

Quarto compartilhado com o bebe
Quarto compartilhado com bebe

 

Muito se falam sobre o quarto compartilhado com o bebê, algumas pessoas acham que é errado e outras defendem que é o certo a se fazer.
Então hoje vou compartilhar a minha experiência com vocês.
Desde que meu filho nasceu ele dorme no mesmo quarto que os pais, e nunca tive problema sempre achei mais seguro, se ele acordasse no meio da noite eu ia poder ver o que estava acontecendo. No momento eu também não tenho espaço em casa para ele ter um quarto a casa é pequena.
Quando eu fiquei grávida eu já pensei onde ia colocar o berço dele, por mais que eu compartilho o quarto com ele, cada um tem seu cantinho e acaba que nenhum invade o espaço do outro.

Vantagens do quarto compartilhado:

 

  • facilita a amamentação (a proximidade poupa tempo e incentiva a produção da ocitocina, que ajuda na produção do leite);
  • fortalece o vínculo ( os pais se sentem mais próximos e mais ligados ao bebê, que por sua vez ganha mais atenção e carinho);
  • promove a rápida resposta às necessidades fisiológicas e emocionais da criança (que são muitas e não seguem uma rotina);
  • tranquiliza os pais (que, por estarem perto, sabem que o bebê está bem).

A primeira coisa que se pensa quando falam do quarto compartilhado é as desvantagens e a principal seria a intimidade do casal que vai se perder.
Não vou dizer que  não é verdade mas quero que você responda algumas perguntas sinceramente.

 

  1. Desde quando um bebê pequeno, que não anda e não fala nem se alimenta sozinho, é independente? Colocá-lo sozinho num ambiente estranho, sem calor humano, contribuirá para sua independência/autonomia – ou somente para sua solidão e aceitação da solidão?
  2. É possível criar um filho sem passar por momentos difíceis de transição? O nascimento já não é uma transição? Não faria sentido diminuir o número de eventos de transição no início da vida para que essa primeira fase no relacionamento pais e filhos seja mais suave e prazerosa? O que impede você de promover a transição para o próprio quarto quando a criança estiver, de fato, mais autônoma (andando, falando, curiosa para explorar o mundo)?
  3. Você acha mesmo que sua vida sexual será tão intensa quanto antes do bebê nascer – independente de onde ele for dormir? Você tem sofá/futon/chuveiro/ outros cômodos na casa? Sabia que, enquanto dorme, seu bebê não vai nem saber que você e o seu parceiro estão se divertindo um pouquinho?

Vou finalizar esse post com uma frase do pediatra espanhol Carlos Gonzales:

Há muitas críticas ao co-sleeping. Que prejudica a autonomia da criança, que estraga o casamento…
Se não prejudica o marido, não vai prejudicar o bebé.

Há muitas mulheres que dormem com os seus maridos e isso não prejudica a sua independência, o seu crescimento, não acontece nada.

Entrevista Pediatra Carlos Gonzales.

Adoro os quartinhos de bebê e quero  que meu filho tenha um quarto só para ele, no momento não dá pois não tenho o espaço.
Ele já vai fazer 3 anos e agora acho necessário ele ter o espaço dele, já estou pensando como vou montar o quarto  e pensando em uma casa maior é claro.
Não tenho nada contra em montar um quarto para o bebê com ele desde pequeno, cada cuidadores sabem o que é melhor para seus filhos e para eles.

Em um outro post vou trazer algumas inspirações de quarto que estou pensando em montar para meu filho.

Contem a sua experiência com quarto compartilhado também.

Deixe seus comentários.

 

Link relacionado: https://vamosmamaes.com.br/2016/08/19/como-montar-um-quarto-de-bebe/



Deixe um comentário!